quarta-feira, 22 de outubro de 2008

Grotesco

Tá tudo tão complicado com todas as idéias desgarradas e independentes que me perturbam à noite. Essa minha vontade de ir embora pra qualquer lugar seguro,seja na beira de um precipício ou no cume de um monte.
Sei lá,acho que estou no meu inferno astral (definição exata que conheci a pouco),essa passividade maldita,o estômago que queima além do normal,meu humor que muda mais rápido que o clima,enfim...pior seria se pior fosse.
(Aff.Frase pessimista dita com alto tom de ironização)
Sinto falta dos momentos de paz (embora eu mal saiba o que é tê-la),meu corpo doí( e olha que não cheguei na idade do reumatismo ou osteoporose)e pra variar to mais perdida que um cego,um mudo e um surdo juntos num tiroteio.



Detesto as coisas por não durarem para sempre,ao mesmo tempo que me comprazo em saber que essa fase um dia vai passar.Saber que um dia poderei ver a situação de uma maneira menos egocêntrica e tediosa,de uma perspectiva mais madura e racional da que estou tendo agora.Sem rodeios,ando inexplicavelmente insuportável(pra ressaltar),o foda é não poder fugir de mim mesma,ninguém pode fugir de si mesmo,isso é fato,é possível se enganar,se maltratar e de certa forma ir se matando aos poucos com a própria boca mas fugir,não,não há como fugir.
Por que então fechar os olhos e fingir que tudo está bem?

Um comentário:

Dandara disse...

caramba, q frases bem colocadas, como vc escreve bem ... apesar de q oq vc escreveu nao parecer tao bem assim, mas é a vida. te amoooo