terça-feira, 30 de março de 2010

Um barzinho, um violão.


Sentados à mesa, fim de tarde, com um cara no canto tocando João Gilberto. Cá estávamos nós, pernas inquietas, intertextualidade de filmes, livros e piadas (coisas que só a gente consegue fazer). Depois de tudo isso, já meio alterados (eu confesso), surgiu a pergunta:

-Você já traiu?

- Ahn? – respondi como se quisesse fugir, embora conhecesse bem a figura. Não se contentaria com caras e bocas e um possível sorriso sinistro.

- A pergunta é simples. Você já traiu alguém? – tornou a dizer.

- Pergunta simples para uma resposta complicada. - falei freneticamente – Eu não gosto muito de conversar a respeito, mas já que estamos aqui, eis o fato:

Sim, eu já traí.

(Poucos segundos de silêncio)

- Deixe-me contar as minhas nuances, antes que você piore ainda mais a imagem que tem de mim – disse com um sorriso lerdo – Acho que todo mundo já cometeu esse (e outros pecados). Eu então... faço-o com certa constância. Já me traí várias vezes. Deixei de lado princípios que tinha, coisas que acreditava. Chorei por outra pessoa no colo de alguém com quem eu namorava. Traí meu time de futebol (isso na época que eu gostava de futebol), traí a confiança dos meus pais e etc. Traí sim e também fui traída.

(Ele fez cara de quem não gostou muito e de quem ainda esperava o desfecho da história)

- O quê? Eu já te contei essa né. Vamos virar a página. Hoje já não tem importância, importava antes, quando existia amor. – continuei – Agora você se lembrou né? Eu lá em cima do edifício, toda compenetrada e você... Você me aparece do nada dizendo:

- Calma amiga. Lembre-se que você tem chifres e não um par de asas.

(Risos escandalosos)

- Você me salvou naquele dia – disse em voz alta – Se você não tivesse traído sua namorada e me procurado para contar o feitio... Deixa quieto.

A noite vinha se apresentando. E “Doralice eu bem que te disse, essa embrulhada em que vou me meter [...]” tocava ao fundo embalando o final da conversa. Brindamos. Afinal amigo também é um pouco filho da puta.

8 comentários:

Princesa Moderna! disse...

adorei o texto.
beijos

Helô disse...

ops, o último comentário foi sem identificação.


ah, verdade. Sempre traímos. Bom, namorado eu nunca traí, e como só tive um, que namoro até hoje, acho também que nunca fui traída. Mas trair a confiança de pais e "amigos" (na verdade, pseudo amigos) é corriqueiro. Adorei o texto.

maayara disse...

ooi
amei o texto, concordo com vc, traimos quase todos os dias.
beijos

Anônimo disse...

que texto original, adorei.

jefhcardoso disse...

Olá Natallya! Não repare em minha visita relâmpago, mas venho lhe convidar para ler o novo capítulo de “O Diário de Bronson (O Chamado)” e deixar o seu comentário.

Retornarei com melhores modos e mais tempo. Tenha um ótimo final de semana. Abraço do Jefhcardoso!

WebFolhetins disse...

Você escreve bem. Parabéns. Conheci seu blog pelo orkut, na comunidade Clube dos autores anônimos. Gostei do título do blog, vim conferir e gostei. Muito bacana.
Abraços.

Se puder passa lá no webfolhetins.wordpres.com
Escrevo pequenas novelas em capítulos, coisa meio despretensiosa.

Gαbi '˙·٠•♥ disse...

Nossa que blog lindo!
Vou voltar...

bjo enooorme e Parabéns! *-*

http://1umpoucodetudo.blogspot.com/

Fernanda disse...

Sim,todos já traíram.E traição de namorado não é tão ruim,aposto que traição de amigo é muito pior...
Primeira vez que passo aqui,adorei os textos,todos uma dose de bom humor que só você consegue colocar.
Parabéns mesmo ( :
Voltarei mais vezes.
=*