quarta-feira, 9 de junho de 2010

Insônia


No relógio o ponteiro quase marca meia noite. Eu não durmo, essa coisa que me cutuca o pé do ouvido não me deixa dormir. E quando não é isso, é aquilo e aquilo outro. Eu curtia os meus fins de semana sem medo, sem ter que fazer o escarcéu dentro de mim a cada oito horas. Agora não, é sempre essa linha limítrofe, que não me permite chegar ao outro lado. Em cima da mesa os objetos usados para a travessia, um velho copo com dose dupla de uísque, cigarros baratos, guardanapos sujos e rabiscados com lembretes do dia. Tudo sem cor, meio morto, meio banal. Palavras desgastadas, camisa mal passada e roída na gola. Cabeça cheia de pensamentos importunos. Nada de pregar os olhos. E não me venha com costuras, eu não me dou bem com agulhas e linhas!

4 comentários:

Nathalie C. disse...

Pq será que eu gosto tanto de vc e de seus textos, D. Natty?

=]

saudadinha.

Fernanda disse...

Texto perfeito *-*
As vezes o silêncio da madrugada ajuda a colocar as idéias no lugar...

nick disse...

eu tenho medo do silêncio quando eu não posso dormir

Luiza disse...

também não me dou. sempre tem algo na cabeça, pra perturbar, quando o que mais se quer é dormir e esquecer. beijos